quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Estratégia Social XLVI: Nunca perder o respeito de si mesmo

Baltasar Gracián: Nem condescender demais consigo próprio. Que sua integridade seja diretriz de sua retidão. Deva mais à severidade do seu próprio julgamento que a todos os preceitos externos. Evite o indecoroso, não devido ao julgamento severo dos outros, mas em respeito à sua sensatez. Chegue a temer a si mesmo e não necessitará como preceptor imaginário de Sêneca.

ATENA: Ser o centro doador de sentido para a tua realidade, a fonte de toda decisão e ação, o arcabouço de cada planejamento, o fim último ao qual tornarão a vergonha ou o mérito. Arcar com a responsabilidade da própria vida, não projetá-la em mídia, moda, cultura, família, nada que não seja sua própria estrutura, seu próprio caráter, é formar-se Homem. Só assim é possível mover-se para além dos desmandos alheios, onde só as crianças se escondem atrás de posturas como "estava só seguindo ordens", "o que iriam pensar de mim?" e outros. Definir o próprio centro e criar o próprio destino, essa é a tarefa do homem. Daquele que for sábio o suficiente para temer o peso da própria obra do dia, do mês, do ano ou da vida inacabada sobre seus ombros mais do que o sorriso condescendente do aplauso ou da crítica alheia.

Renato Kress

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Estratégia Social XLV

Homem criterioso e observador

Baltasar Gracián: Domina as coisas e não deixa que as coisas o dominem. Sonda as maiores profundezas e disseca os problemas com perfeição anatômica. Só de ver alguém já o compreende e avalia sua essência. Possui grande poder de observação, decifra o que se acha mais oculto. Observa com argúcia, concebe sagazmente, argumenta sabiamente: não há nada que não possa descobrir, notar, apreender, entender.

ATENA: Uma das maiores estratégias de dominação com que nos deparamos no mundo do trabalho hoje em dia é a balela maniqueísta entre a "zona de ação" e a "zona de conforto". Essa dicotomia barata que artificialmente cria uma contradição entre "ação" e "pensamento" serve não só para incutir o sentimento de culpa sobre quem esteja refletindo, pensando ou planejando suas ações, mas principalmente para que confortavelmente nos abstenhamos de pensar, de refletir nossas ações em dois pontos: base e meta. Quando não conhecemos a base, o fundamento de nossas ações, somos dominados por quem nos dita esses fundamentos, quando não conhecemos a meta, o desígnio último de nossas ações, não possuímos controle ou consciência prática sobre nossos atos. É uma estratégia rasa, simples e rasteira de dominação, manipulação e controle incutir esse tipo de dicotomia na cultura corporativa. Se ação sem pensamento é perda de energia e pensamento sem ação é perda de tempo, procure manter-se na zona de interação, jamais deixe de pensar, jamais deixe de agir, juntos.

Renato Kress

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Estratégia Social XLIV

Está mais próximo de se tornar uma verdadeira pessoa aquele que tem profundidade

Baltasar Gracián: O interior é até mais importante do que o exterior. Alguns sujeitos são fachada só, a exemplo de uma casa inacabada por falta de dinheiro. Apresentam a entrada de um palácio, mas o interior de choça. Tais sujeitos não lhe oferecem um lugar onde parar, embora estejam sempre em repouso, pois, concluídas as primeiras saudações, a conversa se acaba. Pavoneiam-se durante as cortesias iniciais como cavalos sicilianos, mas logo param em silêncio. As palavras se esgotam quando não são respostas pelas perenes fontes de inteligência. Tais pessoas enganam com facilidade aqueles que são também superficiais, mas não os perspicazes, que olham o seu íntimo e encontram o vazio.

ATENA: A superficialidade se esgota no tempo. Assemelha-se a um perfume ordinário cuja fragrância se esvai rápido demais. Esteja, então, sempre preparado. Nesse ínterim, prefira pecar pelo excesso. Pesquise, estude, procure, conheça.  Observe quem possa te ajudar a conhecer melhor, saber mais. Estar preparado não elimina os desafios, só ajudará a alçar outros ainda maiores. As tarefas se apresentam à medida das nossas capacidades, conhecer o terreno, os hábitos e as crenças do teu foco é o primeiro passo para o início de descobertas maiores, internas ou externas. Profundidade, conhecer-se e conhecer o outro, importar-se consigo e com o outro, é honrar quem se é e a situação que está diante de você.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Estratégia Social XLIII

Não se envolver em complicações.

Baltasár Gracián: Eis uma das primordiais preocupações da prudência. É longo o caminho a percorrer de um extremo a outro, e os prudentes permanecem na área central da sensatez. É decisão amadurecida romper tal estado pois é mais fácil tirar o corpo do perigo do que sair-se bem dele. As situações perigosas colocam nossos bom senso na berlinda, e é mais seguro evitá-las por completo. Uma complicação traz outra maior, conduzindo-nos à beira do desastre. Alguns são precipitados, por temperamento ou por nacionalidade, e é com rapidez que se envolvem em situações perigosas. Mas aquele que caminha à luz da razão avalia a situação e percebe que há mais valor em evitar o perigo do que em vencê-lo. Vendo que já existe um tolo imprudente, evita ser-lhe segundo.

ATENA: Vivemos numa sociedade em que o agir é estimulado antes do pensar, pois o pensar é perigoso e o agir mediado e focado pelo pensamento ainda mais. Se quando te pegam pensando te pedem que "saia da zona de conforto" e entre na "zona de ação" respire fundo e avalie o interesse do emissor da mensagem. A quem interessa que seu raciocínio seja sempre fragmentário, rápido e superficial? A quem interessa que você aja seguindo as conclusões tiradas dessa forma de raciocínio quebrado, frágil e inofensivo? Não se envolver em complicações é uma boa metáfora para a ideia de que nem tudo o que nós pensamos, criamos ou produzimos é do interesse dos demais até que esteja plenamente pronto. Quase todas as grandes idéias, invenções e criações do homem foram criadas em segredo, até que estivessem plenamente "maduras" para ganhar mundo. Não se envolver em complicações significa não só abster-se do vício impróprio de falar demais, mas principalmente saber fazer a divisão necessária entre o que se pensa e se cria e o que este ou aquele determinado amigo, colega ou familiar está apto a ouvir.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Estratégia Social XLII

Moderar a antipatia

Baltasár Gracián: Odiamos gratuitamente alguém, mesmo antes de conhecer-lhes as qualidades. E às vezes tal aversão espontânea se volta para os homens eminentes. Que a prudência a controle: não há maior descrédito do que detestar os superiores. Tanto é vantajoso tratar co msimpatia os heróis, quanto desonroso tratá-los com antipatia.

ATENA: Estarmos atentos às nossas antipatias e simpatias inconscientes e "naturais" é observarmos nossos padrões internos de identidade e aversão. Em geral quando não nutrimos uma boa relação com algo que nos é completamente estranho, é porque esse algo "estranho" nos revela algo de nós mesmos que não gostaríamos de ver. O que nos importa em relação à Liderança e Estratégia é justamente focarmos em nossas metas e na melhor maneira de nos encaminharmos em direção a elas. Se uma pessoa pode nos auxiliar ela é um possível "sócio" em nossa empreitada, se essa mesma pessoa não pode nos auxiliar em nada, preocuparmo-nos com ela ou sentirmos antipatia por ela é, apenas, perda de tempo, energia e foco.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Estratégia Social XLI


Usar, mas não abusar, das intenções ocultas

Baltasar Gracián: E, acima de tudo, não as revelar. Todo artifício deve ser disfarçado, pois desperta suspeita, em especial as intenções ocultas, que são odiosas. O engano é comum, portanto previna-se.. Mas esconda sua cautela dos outros, para que não percam a confiança. Uma vez patente a cautela ofende os outros e induz vingança, despertando males não imaginados. Agir refletidamente nos dá uma grande vantagem. Nada proporciona mais alimento para o pensamento. A maior perfeição de uma ação depende da maestria com que a executamos.

ATENA: Nem todas as intenções podem ser patentes à primeira vista. Para que tudo chegue a um bom término é preciso que algumas metas só se tornem claras no momento oportuno. E saber observar toda a dinâmica das variáveis envolvidas no sistema em que nossa meta se encontra é a única forma de percebermos o melhor momento, a ocasião mais oportuna de se esclarecer todos os intentos. Muitas metas jamais chegariam a ver a luz se não tivessem sido devidamente escondidas nas trevas por um grande período de "incubação" interna. Algumas intenções são mais robustas e não se ferirão ou perderão forças com o convívio social, outras, no entanto, necessitam de maior cuidado e atenção para que cresçam sadias e desenvolvam todo o seu potencial.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Antropologia interna: O Líder e os rituais de socialização

Sou resistente com a palavra 'líder' como tem sido usada. Percebo que a vulgarização de um termo colabora diretamente para a perda de sentido do mesmo. Dizer "amor" já não impacta como dizer "afeto". É claro que o amor é hierarquicamente superior ao afeto, mas o amor anda por aí em tanta letra de música, em tantas placas, dizeres, poemas, anúncios... é como crise. Nossos avós falavam da crise de 1929 com um pânico como se fosse a entropia, o universo se engolindo, tudo perdendo o sentido e as pessoas efetivamente se jogando dos prédios. Hoje em dia "crises" começam no café da manhã e terminam no jantar. Se os bombeiros fazem greve justa por justos salários e condições dignas de trabalho é uma "crise de insegurança incendiária e marítima" segundo os meios de apavorament... digo comunicação. Quantas crises econômicas já vivemos? Isso sem contar as existenciais, afetivas, familiares... A repetição esvazia o termo. 

O trabalho de um bom treinador, entre outros, é estar sempre delimitando o uso do termo, preenchendo de sentido aquilo que o mundo vive esvaziando. Ressalva feita, falarei do 'líder', com aspas mesmo. Porque não me refiro ao líder vazio de significado que aparece na capa das revistas da moda gerencial - falarei de um ponto de vista em que a palavra ainda tem sentido forte, do ponto de vista da ciência política que estuda as relações de poder e, logo, os 'líderes', com algum significado.  

Informação, conhecimento, poder
Um bom 'líder' observa. É impossível liderar sem possuir muita informação estruturada em conhecimento e a melhor forma de conseguir boas informações é observar. Mais do que o que João fala ou Maria escreve, me interessa o que João faz e o que Maria produz. Observar os comportamentos dos membros da equipe é a melhor forma de compreender suas visões de mundo e saber dialogar no mesmo nível, na mesma linguagem, com os colegas e 'liderados'. 

Observar e perceber rituais. É perceber etapas no desenvolvimento da carreira pessoal e no desenvolvimento da carreira de seus colegas e 'liderados'. Tendo uma consciência maior das fases de integração social dentro de uma empresa ou departamento é possível 'liderar' com mais efetividade e operar mudanças de forma inteligente, coadunando a fase da carreira do indivíduo com suas aspirações pessoais e as expectativas inerentes ao cargo que ele ocupa.

Integração social e fases
A integração em um grupo, seja ele familia, um círculo de amigos ou um grupo de trabalho, implica a aquisição de status, de papéis e de normas. Ela pode se realizar de diversos modos, entre eles as práticas de inserção e ritualização que exemplificaremos a seguir.


Socialização organizacional
As práticas de inserção, sessões de orientação, formaçãno no local de trabalho, tutoria, boletins internos, manuais de procedimentos são o que se pode considerar como socialização organizacional e podem ser investigados com facilidade pelos 'líderes'.

A entrada
A primeira etapa da sociaização consiste na entrada do indivíduo em um grupo. No decorrer dessa etapa, indivíduo e grupo procuram conhecer-se o bastante para saber se vão estabelecer uma relação duradoura. É como a primeira vez que você é convidado para conhecer a família do seu namorado ou namorada. O indivíduo procura informação a respeito do grupo e das pessoas que fazem parte dele - Ah, e o seu pai é formado em quê mesmo? E sua mãe, como se chama? Seu irmão trabalha em...?  A partir daí o indivíduo consegue começar a determinar os papéis que pode desempenhar e as contribuições que pode trazer. 

Representantes do grupo também procuram informações sobre o novato - E você trabalha em quê mesmo, rapaz? - sobre sua personalidade, sua história pessoal - E seus pais? De onde são? - suas qualidades, sobre os recursos de que dispõe etc. Quando as duas partes calculam que seria interessante estabelecer a relação, então o indivíduo faz sua entrada no grupo.

A aceitação
No início, o indivíduo pode se contentar com fazer parte do grupo e, caso se trate de uma organização, seu principal desafio será demonstrar seu valor e sua capacidade de lograr uma boa performance para se fazer aceitar pelos membros do grupo. Nessa fase o indivíduo se esmera em corresponder as expectativas que percebe que recaem sobre ele. - Seus pais gostaram de mim?

A adaptação
Para ampliar sua aceitação no grupo - tornar-se um "nativo" - o novato precisa em primeiro lugar se familiariar com seu trabalho e com o funcionamento da organização, em seguida precisa tomar informações a respeito das responsabilidades que lhe incumbem e ter bom desempenho.

Isso implica que ele deve aprender muita coisa: familiarizar-se com a instalação física da organização - Onde ficam os talheres? -  tomar conhecimento das regras e dos procedimentos administrativos - Ah, é aqui que eu sento? - das relações hierárquicas e das alianças informais, descobrir os recursos oferecidos pela organização e a maneira de ter acesso a eles, os hábitos de trabalho comumente admitidos e esperados, as responsabilidades que lhe cabem, os papéis que lhe são atribuidos, as competências que deve desenvolver etc.

Isso requer igualmente que o novato seja capaz de estabelecer relações positivas com seus colegas e com seu superior hierárquico, que aceite trabalhar com pessoas que não pensem exatamente como ele, que descubra como procurar ajuda se tiver necessidade, que confie nos outros e aumente sua eficiência pessoal dentro do sistema.


A integração
O novo membro precisa aprender muitas coisas e interiorizar as normas e valores da organização, preservando sempre sua individualidade e criatividade. Então, quando os membros daquela organização reconhecem sua competência e contribuição ele torna-se um membro integral do grupo, e o sentimento que ele experimenta de pertencer ao grupo alcança um ponto elevado.

O grupo atribui ao novo membro papéis que julga que ele seja apto a desempenhar, a fim de aumentar sua contribuição para a eficiência da unidade e da organização.

Fase de divergência
Em dado momento é possível que o novo membro experimente um sentimento de ter atingido o ápice em seu trabalho, ou sinta tédio, ou ainda necessidade de fazer outra coisa. Ele pode, então, negociar novos desafios - Estamos pensando em viajar juntos! Europa! Um mês! - com os outros e pensar em mudanças em seus papéis. Essa é uma etapa na qual o individuo define seus objetivos e busca oportunidades de avanço na empresa.

Fase crítica: mudança ou estagnação
É natural que seu engajamento no grupo diminua, assim como seu interesse pelo trabalho. A ausência de desafios tende a gerar apatia. Quando logra entender-se com seus colegas, é possível que encontre um meio de redefinir seus papéis sem contrariar os outros e talvez decida continuar em seu posto. É também possível que ele deseje deixar seu posto e precise ser promovido ou mudar de empresa.

Fase da partida
A última etapa é a saída, que corresponde ao momento em que o indivíduo decide deixar seu posto. A partida não é obrigatoriamente um acontecimento traumático - Quer casar comigo? - pode ser um momento em que ele e o grupo rememoram os acontecimentos felizes e infelizes que marcaram sua relação. Ou pode ser um término mesmo.

A organização e a herança organizacional
Ao longo de sua passagem pelo grupo o indivíduo contribuiu para a mudança da estrutura social desse grupo em razão das acomodações e transformações que produziu na situação que lhe haviam conferido no início. Seu substituto, se houver um, deverá continuar o trabalho que ele empreendeu. Em outros termos o substituto assumirá a posição tal como a deixou o ex-funcionário ao sair do grupo. Posteriormente ele poderá voltar à primeira fase e empreender mudanças estruturais uma vez inserido no contexto, mas a princípio ele terá que satisfazer expectativas que outro criou.

Ritos: observação e mudança
O processo de integração de um indivíduo em uma cultura corporativa é paralelo ao processo psíquico do apego e isso comprova a complementaridade desses dois processos. 'Líderes' que se interessam pelas práticas de socialização organizacional observam padrões de interação que se repetem bastante nas empresas. Esses padrões são, de fato, ritos de inserção e denotam a importância da ritualização como mecanismo de integração.

Um ritual - no contexto da cultura orgnizacional - é uma sequencia de atividades empreendidas por uma pessoa ou grupo para obter determinadas respostas d outro. Podem-se observar diversos rituais nas empresas: acolhida de novos membros, ritos iniciáticos, festas organizadas quando de comemorações empresariais importantes, cerimônias oficiais, assembléias de funcionários etc.

Uma passagem do livro O Pequeno Príncipe ilustra muito bem isso:

"A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:

- Por favor... cativa-me! - disse ela.

- Bem quisera - disse o principezinho -, mas eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer.


- A gente só conhece bem as coisas que cativou -disse a raposa - Os homens não tem mais tempo de conhecer coisa alguma. Comprarm tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não tem mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!

- Que é preciso fazer? - perguntou o principezinho

- É preciso ser paciente - respondeu a raposa. - tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, cada dia, te sentarás mais perto.

No dia seguinte o principezinho voltou.

- Teria sido melhor voltares À mesma hora - disse a raposa. Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as trÊs eu começarei a ser feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração... é preciso ritos."
- Trecho do livro Le Petit Prince, de Antoine de Saint-Exupéry

É pela socialização que se aprende as normas e os papéis sociais, interioriza-se os elementos socioculturais próprios a seu meio e desenvolve-se o sentimento de pertencimento, que é o que libera o indivíduo para ser dinâmico e criativo no seu trabalho, além de reforçar os vínculos de qualidade de vida no trabalho que cimentam a fidelidade no trabalho. Já conheci muitas pessoas que se mantiveram fieis não à empresa em que trabalham nem ao seu salário, mas à qualidade das relações construídas no local de trabalho. Um bom 'lider' conhece cada etapa desse processo e sabe como trabalhar especificamente em casa uma delas.

O curso Liderança Corporativa e PNL patenteado pelo Instituto ATENA treina arduamente técnicas da pnl criadas exclusivamente para trabalhar a cultura organizacional e os ritos, ampliando a concepção e oferecendo novas ferramentas gerenciais para uma liderança efetiva e inteligente.

Texto: Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Estratégia Social XL

Tratar com simpatia os grandes homens


Baltasar Gracián: O Herói se combina com heróis. Tal capacidade, chamada simpatia, constitui uma maravilha da natureza, por ser tão misteriosa quanto benéfica. Existe afinidade de coração e de temperamento, e os efeitos da simpatia se parecem com os que o vulgo atribui às poções mágicas. Essa simpatia, além de nos ajudar a ganhar a estima, faz com que os outros se inclinem para nós, granjeando rapidamente sua boa vontade. Persuado sem palavras, conquista sem mérito. Existem a simpatia ativa e a passiva, e ambas operam maravilhas quando ornadas de qualidades sublimes. Requer grande habilidade conhecê-las, distingui-las e tirar proveito delas. Não há esforço que baste se não houver tal privilégio misterioso.

ATENA: É comum, em nossa sociedade hipercompetitiva, que se esqueça o foco principal do trabalho e que o indivíduo se perca em observar o vizinho com desdém, desconfiança e medo. Essa é a mentalidade de um covarde e um covarde não tem méritos. O medo gera a intolerância e o ódio, que alimenta a inveja e a competitividade sem foco. Essa espécie de competitividade é característica de quem perde o foco na meta e transforma o que vê como "concorrente" na meta. É a estratégia básica do medroso querer que todos vivam na insegurança como forma de mascarar sua própria ausência de foco, de plano, de criatividade ou autonomia. Só os corajosos, só os autônomos e verdadeiramente conscientes de si e de suas capacidades são capazes de ser simpáticos em relação aos grandes homens, admirar-lhes os feitos e aprender com eles. É preciso uma grande dose de humildade para ser grande.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A Real Estratégia: Sun Tzu, cases de sucesso e auto-ajuda contemporânea

Sempre que caminho por entre as livrarias não me furto à oportunidade de vasculhar os livros de programação neurolingüística (pnl), de coaching, de mentoring. Deveria ficar a critério de um bom biblioteconomista mas acredito que fique a cargo dos próprios funcionários a alocação dos livros. Os de pnl e coaching acabam ficando próximos ou mesmo em três seções: auto-ajuda, administração e psicologia. Bem, tanto a pnl quanto o coaching são ótimas ferramentas que podem auxiliar nos três processos: resolução de questões e angústias pessoais, administrar metas e alcançar objetivos e conhecer-se melhor para viver melhor. São áreas correlatas e é saudável que sempre que possível, trabalhem em uníssono.

Observando os livros que ladeiam os de pnl e de coaching pude notar o excesso de livros com 10 passos, 7 passos, 20 hábitos, 30 técnicas etc para ser mais assertivo, próativo, um vendedor de sucesso, um empresário de sucesso, para resolver isso ou aquilo etc e essas publicações me preocupam.

Sistemas Complexos

Me preocupam não porque esses 10 passos, 20 hábitos ou 30 técnicas não sejam funcionais, muitas vezes o são e são muito até! Tudo depende, é claro, da expectativa com que se adquire tais livros e da forma como se lê essas obras. Quem trabalha com teoria social sabe o quão penoso, inglório, injusto e decepcionante é tentar adequar a sociedade a uma teoria sobre essa sociedade. O mais sábio é sempre sacrificar toda ou pelo menos uma parte da teoria e não querer que a realidade se encaixote para caber nesse ou naquele modelo - porque isso nunca acontecerá. Sociedades são sistemas vastos, complexos e dinâmicos demais para caber em qualquer teoria. O mesmo se aplica ao ser humano.

Indivíduos únicos, circunstâncias únicas

Cada ser humano tem uma representação da realidade diferente. Um pintor sabe muito mais cores e nuances do que o escritor desse texto, com toda certeza. Um cozinheiro conhece muito mais filigranas e teores de sabores que a maior parte de nós. Um índio vive toda a sua vida num ambiente em que nós morreríamos em questão de dias. Seres humanos são diferentes, são frutos de experiências de vida diferentes.

Percepções e pnl

Não me preocupa a intenção do escritor do livro - que elencou um modelo interessante, inteligente talvez mesmo revolucionário de alcançar um determinado objetivo - não me preocupa porque é disso que se trata a pnl, por exemplo. "Modelar", criar um modelo baseado na conduta intrínseca (valores, crenças, identidade) e extrínseca (ambientes, comportamentos, habilidades) de um indivíduo e usar esse modelo para atingir uma performance maior que a que ele atingia anteriormente.

A intenção do leitor

Me preocupa mesmo é a forma como compramos essas obras, como muitas vezes acreditamos sinceramente que a aplicação de um modelo baseado num indivíduo que alcançou um determinado sucesso (suponhamos a criação de um "Modelo Eike Batista" por exemplo) nos faz crer que teremos os mesmos resultados que os alcançados pelo indivíduo modelado. Isso é irreal. As circunstâncias da vida de um Schumacher e o talento de um Schumacher são pessoais e intransferíveis, o que não quer dizer que eu não vá dirigir melhor se modelar o Schumacher, com certeza irei. Mas nunca como ele.
O que você espera que
aconteça ao terminar de
ler um livro como esse???

O problema nos livros com 10 passos, 20 hábitos ou 30 técnicas é que muitas vezes o leitor não tem uma meta bem definida (literalmente não sabe o que quer) e, quando chega ao final do livro, tendo aplicado melhor ou pior alguns dos seus preceitos, fica genuinamente decepcionado ao olhar ao redor e não estar efetivamente "no cockpit" ou balançando uma garrafa surrealmente grande de champagne, vestindo um macacão todo tatuado de empresas e ouvindo as pessoas saudando ele.

Nenhum "case de sucesso" foi criado baseado em outro "case de sucesso"

Quando não temos uma meta bem definida, quando não sabemos o que queremos, nenhum modelo será bom o suficiente, nenhum hábito, nenhuma técnica, nada será eficaz. Mas além disso há também outro fator a ser considerado: a especificidade da realidade à qual aplicamos aquele modelo.

Só sistemas fechados e simples
comportam soluções únicas!
Trabalho com empresas e empresários e muitas vezes ficamos um bom tempo tendo descobertas acerca dos "cases de sucesso". Muitas vezes vejo eles lendo os "cases" como leitores inocentes de auto-ajuda, como se pudessem aplicar, por exemplo, a estratégia da Nike ao problema da Grendene. A Nike tem especificidades, tamanho, estruturas de produção e logística que a Grendene não tem e as "estratégias" da Nike dificilmente se encaixarão nas metas da Grendene. São ambas empresas do ramo de calçados, mas a semelhança nasce e morre aí.

Um "case de sucesso" deve ser lido para percebermos como uma empresa com problemas utilizou os recursos de que dispunha para resolver a questão ou até para alavancar o seu desenvolvimento através dessa situação, mas nunca com a expectativa de aplicarmos diretamente aquele "case" ao nosso caso particular.

Sun Tzu, no capítulo seis da obra "A Arte da Guerra" diz:
"Todo mundo conhece a forma que resultou em vencedor, porém ninguém conhece a forma que assegura a vitória. Em conseqüência a vitória na guerra não é repetitiva, senão que adapta sua forma continuamente. Determinar as mudanças apropriadas significa não repetir as estratégias prévias para obter a vitória. Para consegui-la, posso adaptar-me desde o princípio a qualquer formação que os adversários possam adotar."
Esse texto, escrito a 2500 anos, já nos alertava para a facilidade em perceber o vencedor depois da batalha vencida: "Todo mundo conhece a forma que resultou em vencedor", e para a impossibilidade de saber uma única forma que resulte na vitória: "...porém ninguém conhece a frma que assegura a vitória.", mas o mais importante é sempre a noção de que a vitória não se dá por modelos vitoriosos - nenhum "case de sucesso" foi baseado inteiramente em outro "case de sucesso" - e sim pela capacidade dos indivíduos envolvidos na tarefa de adaptarem-se às circunstâncias reais dadas no momento da "batalha".

Adaptação e vitória

Não estamos aqui apenas porque soubemos lutar bravamente com paus e pedras de 5000 anos até hoje, estamos aqui porque as situações mudaram e nós soubemos nos adaptar. Falando em adaptação, é bom que ela seja sempre mediada por nossas circunstâncias exteriores e orientada para nossas metas. São os dois focos da nossa atenção "no calor da batalha". Um célebre ocidental que estudou muito aprofundadamente acerca da adaptação, percebeu a importância dessa mesma atenção:

"A atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana." - Charles Darwin

Texto de Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA
Criador dos Treinamentos A Arte da Guerra e A Jornada do Herói

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Superioridade e Honra: Caminhos, descaminhos, estratégia e valores

"Existem vários caminhos. Há o Caminho da Salvação pela Lei do Buda, o Caminho de Confúcio que governa o Caminho do Aprendizado, o Caminho da cura como médico, como poeta ensinando o caminho de Waka¹, chá², arco e flecha³ e muitas outras artes e escolas. Cada homem pratica de acordo com sua inclinação." - Miyamoto Musashi, Livro da Terra, in: Livro dos Cinco Anéis (ou Livro das Cinco Esferas)

Para Musashi o caminho do Guerreiro é o caminho que leva à aceitação resoluta da morte. A morte, para uma cultura taoísta como a de Musashi, é a aceitação da eterna impermanência. Impermanência de nossos corpos, que envelhecem desde o dia em que nasceram, de nossas situações cotidianas que se transmutarão em outras, de nossa compreensão de nós mesmos e do universo que nos cerca. Para quem saiba ler o Livro das Cinco Esferas, tornar-se um guerreiro, ou melhor, assumir o caminho do guerreiro, é aceitar a mudança que se espera de toda ordem constituída. A vida é passagem e quem se perder nas margens do rio da vida na busca pela eterna infância, juventude ou mesmo eterna velhice, não pode assumir esse caminho, viver esse fluxo.

O Caminho da Estratégia

Os praticantes do caminho do guerreiro são conhecidos como "mestres da estratégia". A aceitação resoluta da morte, num contexto estratégico, nada mais é do que um bom exercício do que no ocidente denominamos "trade-off", abrir mão de algo (deixar algo morrer) para obter algo de maior valor para nossas vidas. Quando uso o termo "Valor" quero dizer "significado" e não explicitamente "dinheiro", "posição" ou "poder", a não ser que "dinheiro", "posição" e "poder" sejam seus valores primários. Valor é tudo aquilo que traz maior significado à sua vida.

"Recentemente têm surgido no mundo pessoas chamadas de estrategistas, mas no fundo não passam de esgrimistas." - Myiamoto Musashi

Vivemos num universo onde a mídia cerca e explode em multicores quando um envolvido em uma disputa comercial, industrial, política ou financeira atinge uma vitória. Tendemos a atribuir ao sujeito da vitória, ao vitorioso, títulos de estrategista, de grande guerreiro e de líder etc. Podemos até acreditar que livros como "A Arte da Guerra" de Sun Tzu estejam ultrapassados, que seus critérios de "vencer sem guerrear", "vencer o inimigo por cansaço" antes mesmo de entrar em batalha, "cooptar as mentes dos soldados do inimigo antes de enfrentá-los" etc estejam ultrapassados, afinal, o que as grandes revistas de negócios, os grandes livros e os grandes gurus nos apresentam é um mundo de grandes líderes em disputa acirrada, clara e aberta uns contra outros. Mas será que essas revistas não têm nenhum interesse? Será que elas não são patrocinadas por nenhum interesse? Quem paga a moda da ultracompetitividade? E paga com recursos infindáveis, ou com recursos finitos? E se esses recursos são finitos, porque se investe nisso?

Essência e aparência

O mundo da mídia pode se esgoelar para vender a cada um de nós a idéia de que a competição acirrada, a hipercompetitividade a qualquer custo é o caminho do "líder", do "guerreiro", do "estrategista", mas ele não pode negar o fato de que a Google, por exemplo, tem 4 décadas a menos do que a TimeWarner e tem o lucro líquido quase duas vezes maior. A diferença? A TimeWarner é a maior difusora da ideologia da hipercompetitividade no mundo e a Google não vende, mas efetivamente vive a ideologia da hipercolaborativiadade, dentro e fora da empresa. A quem interessa que nós permaneçamos sempre competindo, nos exaurindo, nos cansando, dispersando energia e recursos?

A aparência da hipercompetitividade não encobre a essência de que quem está na frente não compete, cria! Só me interessaria que meus "concorrentes" competissem se eu vivesse no eterno medo, no pânico completo de que, uma vez deixados em paz, eles pudessem "crescer" e "me passar". Essa é a ênfase normal na mente de um covarde, não de um guerreiro. A mídia corporativa, tal qual a mídia social, incentiva a covardia pela incitação do medo. Só quem é muito inseguro acerca das próprias potencialidades, das próprias habilidades e do próprio conhecimento consegue viver nessa lógica. Não é o caso de um guerreiro como exposto por Musashi.

A venda e os critérios para a compra


"Se observarmos o mundo, veremos artes à venda. Os homens usam equipamentos para vender a si próprios. É como se a noz valesse menos que a flor. Nesse tipo de 'Caminho da Estratégia', tanto aqueles que ensinam quanto aqueles que aprendem o caminho ocupam-se de exibir a técnica, tentando apressar o desabrochar da flor. Falam 'deste Dojo' e 'daquele Dojo'. Estão à cata de lucros. Alguém afirmou uma vez: 'A Estratégia Imatura é a causa do sofrimento'. É verdade." - Miyamoto Musashi

Impressionante como parece que Musashi viveu nesse mundo, não? É natural aos que captam a essência do ser humano. Por isso determinadas leituras se tornam clássicos, porque seus autores captaram algo de próprio da natureza humana. A palavra "Dojo", significa "escola". E não vivemos hoje uma difusão de escolas e métodos de liderança, estratégia etc? E só há uma maneira eficiente de verificar a validade dessas escolas e métodos: aproximarmo-nos delas cautelosamente nós mesmos (pouquíssimo e raramente pela mídia, ela é paga para agir e age segundo quem paga) e observarmos o que seus representantes escrevem diretamente, o que falam e o que fazem, observar-lhes a coerência interna e, principalmente, se seus valores e crenças condizem com os nossos valores e crenças.

Uma das maiores compreensões para o ser humano, talvez o grande discurso desse milênio, é a aceitação da diferença. Aceitar que a diferença existe e que não somos todos iguais é compreender, entre outras coisas, que há espaço para a diferença e que a "técnica" que funciona para o meu vizinho ou para o meu colega pode não ser a mesma que funciona para mim. Toda conduta humana está alicerçada em valores. Ora, uma técnica de liderança, uma "escola" de estratégia empresarial treina e às vezes até impõe uma determinada conduta. É necessário observar bem esses valores, para termos certeza se eles efetivamente são congruentes com os nossos ou não. Do contrário incorreremos em adotar uma postura esquizofrênica em nossas vidas e, mais cedo ou mais tarde, isso desembocará num desequilíbrio físico ou mental.

Esteja sempre atento aos interesses e aos valores por trás do que "consumir" mentalmente, fisicamente, financeiramente. É a sua integridade e a sua possibilidade de crescimento sadio ou patológico (doentio) que está em jogo.

Artigo de: Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA
www.institutoatena.com
Criador dos cursos
A Jornada do Herói
e
A Arte da Guerra

________________
¹ Waka: A palavra significa "Canção do Japão" ou "Canção em Harmonia", que designa um poema de trinta e duas sílabas.
² Chá: A arte de beber chá seguia um ritual simples até hoje ensinado nas escolas. Ficou conhecido no Ocidente como o ritual do chá, feito basicamente por duas pessoas.
³ Arco e Flecha: Assim como o chá e a espada, a arte do arco e flecha é praticada em um ritual. Foi a principal arma do samurai nos períodos Nara e Heian, sendo que, mais tarde, cedeu lugar à espada. Contudo, não perdeu sua importância cultural, aparecendo habitualmente nas ilustrações que representam o aparato portado pelos deuses. O deus da Guerra Hachiman costuma ser representado como um arqueiro.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Importância estratégica da Cultura

Sou rato de livraria. Confesso. Quando saio para algum cinema desses cujo circuito fica em shoppings (me permito ver blockbusters tanto outras formas de cinema), não me nego ao prazer de passear pelas livrarias - geralmente infelizmente apenas uma ou duas - que existem por lá. São universos condensados em páginas, prensados em papel que, uma vez abertos, correm o sério risco de abrir nossas mentes também. Quando procuro por livros quero saber ao menos um pouco da biografia do autor. Quem é aquele sujeito ou aquela digna senhora risonha que pretende que eu compre um bloco impresso de suas idéias, que eu tenha intimidade com elas a ponto de levá-los no colo até a rede da varanda para mergulhar no seu universo interior? Preciso me interessar pelo tema, sem dúvida, mas observo sempre - vícios da profissão - com que interesse aquela obra foi escrita, qual o pano de fundo do autor.

"Quem é que está falando?"
Acontece a mesma coisa com os treinamentos. Quando procuramos treinamentos, quando buscamos cursos e palestras que possam efetivamente agregar conteúdo e conhecimento prático a nossas vidas, buscamos as formações dos que as ministram. Queremos saber em que a palestrante da palestra de "liderança" é formada, qual a experiência do palestrante de "coach" no assunto em que ele está palestrando etc. Toda essa preocupação é extremamente genuína, afinal, teremos uma a três horas do nosso dia dedicadas a escutar o que essa pessoa tem a dizer, sem contar o tempo de translado que muitas vezes acontece também.

Naturalmente pensamos "é bom que seja bom!" e nesse ponto entram os especialistas em marketing pessoal, em luz, câmera e ação para fazer o estudo cromático da palestra, organizar as credenciais, as dinâmicas certas, as falas corretas, as movimentações de palco e tudo o mais envolvidos na atmosfera do treinamento, curso ou palestra. E é justo que assim seja e até esperado.

Intenção, viés, perspectiva
Toda essa preparação é importante seja qual for o tipo de palestra a ser ministrada. O que não se pode é perder de vista o conteúdo da palestra, esquecer o fundamento prático a ser desenvolvido depois dela e ficar fascinado por uma "pirotecnia" momentânea.

Uma palestra deve iluminar novas perspectivas de vida e, ao contrário do show, cuja essência se encerra em si mesmo e no ato de estar presente no momento - quase mágico - em que ele ocorre, a palestra deve, ao menos, incutir dúvidas interessantes, demolir algumas certezas infantis, alicerçar (mesmo que de leve) alguns novos pontos de vista e trazer um gostinho de novidade para depois dela. Esse ano decidi que só vou a shows se eu puder realmente dançar neles ou ouvir a música e me perder nela. Palestra eu vou para aprender algo novo, para conhecer novas perspectivas e profissionais interessantes. Talvez até para uma parceria, mas não para um show.

Quando vou a uma palestra sobre treinamentos ou coaching compreendo que vá ouvir muita coisa de que já estou ciente a algum tempo já que trabalho na área, mas espero ao menos ouvir algo em torno de 20 a 30% de novidade, afinal pelo menos é uma pessoa nova falando! Que o assunto não seja novo é compreensível e esperado muitas vezes, mas ao menos o viés, a perspectiva, a intenção, o foco! Gosto quando me pego rindo de canto de boca no meio de uma apresentação porque o palestrante uniu duas idéias que não me eram tão particularmente similares, gosto quando me pego aplaudindo de pé genuinamente. E aplaudo e sinto meu dia ganho com essas situações. E fico imaginando o que posso fazer, onde posso trabalhar para que meus ouvintes tenham sempre essa impressão das minhas palestras, sejam completamente leigos ou colegas de profissão.

Showman, mas com conteúdo!
Nada contra pessoas que sejam naturalmente engraçadas e divertidas no palco, que tenham intimidade e naturalidade com a audiência, isso é maravilhoso! É até esperado, se considerarmos os treinamentos de palco, rapport e técnicas de comunicação que temos antes de virarmos trainers em programação neurolingüística (pnl), por exemplo. Mas a forma não deve suprimir o conteúdo. O conteúdo de um palestrante, suas leituras, suas experiências, sua trajetória e descobertas, deve ser um rio caudaloso jorrando pela forma. Seja a forma de um coach, com perguntas poderosas e significativas para a platéia, instigando e fazendo refletir, seja a forma de um treinador em pnl com dinâmicas, técnicas e conhecimentos específicos da área. Quem já viu uma palestra do Anthony Robbins por exemplo sabe do que estou falando. Ou do Tom Best. Modelos completamente diferentes de palestrantes que prendem pela forma e pelo conteúdo. Um com show externo, outro com show interno.

Como um caldeirão criativo, o conteúdo do palestrante necessita ser claramente superior ao que possa caber no tempo da palestra. Quando, ao final de uma palestra, parece que o palestrante esgotou seus conhecimentos ou suas metáforas, que já está se tornando repetitivo e cansativo, ou respondendo perguntas através de frases feitas ou mantras superficiais, qual será meu interesse em fazer um treinamento com ele? Ou comprar seu livro ou querer conhecer melhor seu método? É importante que ele tenha não só conhecimento na área sobre a qual palestra, mas um certo domínio de uma cultura geral que o proporcione abarcar outros mapas quando estiver palestrando.

Conhecer mil mapas
Faz parte de uma das pressuposições básicas da pnl "o mapa não é o território", ou seja: minha representação do mundo (mapa) não é o mundo (território), de forma que a melhor maneira de garantir que minha mensagem seja passada para as mais diversas pessoas (e nunca sabemos quem estará presente) é falar através de diferentes metáforas, de diferentes campos do conhecimento. Por isso bons palestrantes de pnl são fenomenais, porque compreenderam que precisam ser internamente ricos para que possam ser melhor compreendidos e que se tornem mais interessantes, como pessoas e como profissionais.

Importância estratégica da cultura
Nunca confiei em comentadores. Concordo com Nietzsche quando ele diz: "...os intermediários falsificam quase involuntariamente o alimento que transmitem: além disso, como recompensa de sua mediação, pedem demais para si: interesse, admiração, tempo, dinheiro e outras coisas, de que ficam, portanto, privados os espíritos originais e produtivos.". Esse é mais um dos motivos pelos quais só trabalho com criações minhas. Não vejo nada mais enfadonho que uma palestra de um treinador falando sobre o fantástico desenvolvimento da idéia X do indivíduo Y. A menos que o indivíduo em questão esteja em outro plano existencial eu vou querer aprender com ele, diretamente, e não com o comentador. Aplico no trabalho o que aplico nos estudos. Leio direto os filósofos, se possível em suas línguas originais, depois posso até me interessar por um orientador, mas nenhum nunca teve a paixão e a riqueza que o original, até hoje.

Me importa a pessoa do palestrante, sua experiência pessoal com o que está veiculando. E para que a pessoa do treinador se faça ouvir para além da "pirotecnia" possível em uma palestra, é natural que se torne um ser que desafia minhas concepções de mundo, que me instiga a ir além nas minhas descobertas, que me enriqueça pelo simples fato de estar ali se comunicando comigo, enfim, um ser humano interessante.

"Quem abrir um livro de um filósofo de verdade, de qualquer época, de qualquer país, Platão ou Aristóteles, Descartes ou Hume, Malebranche ou Locke, Spinoza ou Kant, sempre encontrará um espírito rico em pensamentos, que possui o conhecimento e inicia no conhecimento, e que, sobretudo, se esforça sempre sinceramente para comunicar-se com os outros; por isso ele recompensa imediatamente seu leitor, a cada linha, pela fadiga de ler." - Arthur Schpenhauer

Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA
www.institutoatena.com

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Armadilhas pessoais: Ego, vaidade, autosabotagem e autopercepção

Nessas últimas semanas observei um comportamento no mínimo estranho dentro de um grupo de coaches de que faço parte no facebook. Me causou um certo espanto a declaração de um dos membros de que ele era o "melhor do Brasil" e que para comprovar isso bastava colocar no google e procurar por essas palavras-chave  - respectivamente "melhor coach do Brasil" - que encontraríamos o nome dele. 

Para além do fato de que o trabalho de coach é um trabalho de caráter pessoal e, portanto, deve ser medido por indicadores subjetivos, me impressionou na realidade a demonstração clara do que chamo a alguns anos de "malícia inocente", aquela espécie de malícia pueril digna de quem sequer cogita a existência de outras pessoas e subestima tanto a malícia quanto a inteligência alheia. Acima disso e muito mais grave que isso, subestima uma regra básica de conduta que já faz parte da cultura ocidental há mais de três mil anos (sim, muito antes de Cristo): Toda hýbris (conceito grego que significa "descomedimento do ego") será retaliada. Não demorou para que aparecessem vários colegas de profissão alertando ao autoproclamado "melhor" os perigos do egocentrismo.

Caminhos e descaminhos
O mito de Narciso, inevitável para quem pensa seriamente sobre o assunto, me vêm à mente enquanto escrevo essas pequenas considerações. Narciso, embevecido pela própria imagem no reflexo das águas paradas de um lago deixou-se definhar, sem comer ou beber, apenas admirando a própria beleza. Essa versão do mito me agrada mais pela carga simbólica que comporta. O deixar-se definhar sob águas paradas é justamente o deixar de admirar a riqueza alheia - em bom "pnlês" se é que esse idioma existe, ele deixou de admirar a riqueza dos mapas alheios, sua diversidade e os fluxos que advém dessa interação. Ele deixou de interagir. Para os gregos antigos o movimento das ondas e das águas simbolizava a vazão das emoções, o fluxo que sustenta nossa vida afetiva. O fato de Narciso estar hipnotizado por si mesmo sobre águas paradas simboliza justamente essa concepção de que os sentimentos se fixaram num único ponto e deixaram de fluir. Quando nossos sentimentos e percepções deixam de fluir porque ficaram estagnados em qualquer objeto de afeição (seja nós mesmos, seja apenas outra pessoa ignorando a nossa própria beleza, seja um grupo específico de indivíduos em detrimento do resto da humanidade) nós simplesmente deixamos de aprender, efetivamente definhamos e morremos.

Na medida em que a vida trata da mudança constante, cristalizar-se em qualquer ponto é negar a vida, sua riqueza, suas transformações, suas possibilidades, é mostrar uma visão muito estreita tanto de si mesmo quanto do universo ao redor.

O problema da "malícia inocente"
Em primeiro lugar, se pretendemos realmente ser estrategistas em nossas vidas, empresas ou projetos, precisamos urgentemente perder um pouco do que chamaremos de "malícia inocente". A "malícia inocente" é essa noção pueril (infantil) de que existe uma e apenas uma resposta, sistema ou forma de encarar o mundo que é válida, eficiente, eficaz e funcional. O caso crônico (grave) da "malícia inocente" é a crença arraigada de que alguém vai transformar essa solução milagrosa para os problemas da humanidade em um sistema, criar um livro, um método ou uma nova ciência e nos vender (geralmente na seção de promoções! Veja você!).

Isso é muito bom para criar campanhas de marketing - transformar determinado produto, livro ou idéia em algo completamente absoluto e indispensável -, mas em estratégia é um erro básico. Apoiar-se em uma única fórmula de ver o mundo: teoria dos jogos, teoria dos sistema, física quântica, administração clássica, hipercompetitividade a qualquer custo, busca patológica por "líderes" ou "lideranças", o que for, além de privar a todos nós da riqueza e da variedade da realidade - que sempre está para além de todas as teorias e leituras possíveis -, vai tornar-nos dependentes dessa visão que, uma vez derrotada, nos levará imediatamente ao desespero, perda de referências, estresse, desilusão, perdas financeiras e por aí vai, descendo a ladeira como bola de neve em desenho animado.

Eu sou meu maior inimigo
Em treinamentos e em coaching, a única pessoa que pode efetivamente te colocar no paraíso ou no inferno é o treinador ou o coach. Independente do que disserem a seu respeito, se bom, se mau, se culto, se limitado, se divertido ou monótono, haverá um momento em que você estará frente a frente com os alunos ou face a face com o coachee e é ali que tudo se constrói e é ali que tudo se estabelece. Com muita repetição e treinamento você até consegue fingir alguma cultura, alguma simpatia se não lhe forem naturais, mas não há como fingir ou como escamotear inteligência ou valores, eles extravasam através de nossos poros, mesmo porque a pressão de estar ministrando uma palestra ou um treinamento nos joga numa posição em que é necessário relaxar e mostrar-se, revelar um pouco de quem se é e do que se sente e pensa. Decorar citações de autores famosos ou frases de efeito não vai livrá-lo de encarar os alunos que efetivamente sabem o que fazem ali e estão ali para aprender e não para terem seus egos massageados nem - muito menos - para massagear o ego do palestrante, instrutor ou coach. Qualquer um que já tenha dado um treinamento sabe isso. O ser humano tem a fascinante capacidade de ser surpreendente!

Quando percebo um comportamento que peca pelo excesso de malícia inocente penso se não há, para além da necessidade óbvia de autopromoção ou afirmação do ego, um pouco de autosabotagem no processo. Se ao menos num nível inconsciente não está se operando uma forma de sabotar-se pelas mais diversas razões. Talvez até mesmo como um pedido de ajuda ao mundo exterior, por uma parte da pessoa que está se mostrando resistente a essa cristalização da vida a essa paralisação das águas, a esse endeusamento de si mesmo.

Conhece-te a ti mesmo
Muitas pessoas citam essa frase, escrita no pórtico de entrada do Oráculo de Apolo na cidade de Delfos na Grécia. Conhecer a si mesmo é observar as motivações internas que nos levam a praticar determinados atos ou a operar nosso sistema interno através de um ou outro valores e crenças e a nos perceber de determinada forma. O que me leva a agir de determinada maneira? Porque preciso tanto reforçar externamente uma qualidade minha? O que essa qualidade significa para mim?

É perfeitamente compreensivo que, quando nossos critérios valorativos internos não andam bem estruturados, busquemos os limites e contrapontos no mundo externo. Quando não nos aprovamos buscamos aprovação no outro, num discurso específico, numa metáfora, numa religião ou mais recentemente no google. Isso tudo é perfeitamente possível. Só cabe a cada um perceber-se e julgar se, mais do que possível, isso é realmente necessário ou se não seria melhor conseguir essa aprovação por crivos internos, como a consciência e a autopercepção.

Embaixo da frase "Gnoti Sáuton" (Conhece-te a ti mesmo) no oráculo de Delfos, há uma outra frase de igual importância embora menos citada que diz "Medén Âgan" (Nada além da justa medida), essa frase vai muito bem com uma certa passagem do evangelho de Lucas "Quando fordes convidados para as bodas, não tomeis o primeiro lugar, para que não suceda que, havendo entre os convidados uma pessoa mais considerada que vós, aquele que vos haja convidado venha a dizer-nos: dai o vosso lugar a este, e vos estejais constrangidos a ocupar, cheios de vergonha, o último lugar. Quando fordes convidados, ide colocar-vos no último lugar, a fim de que, quando aquele que vos convidou chegar, vis diga: meu amigo, venha mais para cima. Isso então será para vós um motivo de glória, diante de todos que estiverem convosco à mesa; porquanto todo aquele que se eleva será rebaixado e todo aquele que se abaixa será elevado (Lucas, cap. XIV, vv. 1 e 7 a 11.)

Em qualquer meio onde se pretenda ensinar é necessário que estejamos sempre à frente e, para isso, é necessário que estejamos sempre prontos a aprender, nunca a tomarmo-nos como obra última, perfeita e completa frente a um universo já plenamente esgotado diante de nossa própria grandeza. Perceber-se é um exercício necessário e constante de humildade, o mesmo exercício que nos possibilita evoluir e não sermos "definitivamente", mas tornamo-nos sim, diariamente, melhores que nós mesmos, nunca melhores que ninguém.

Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA
Arte em Treinamento Especializado e Neurolinguística Aplicada

Criador dos cursos únicos e patenteados
A Jornada do Herói
A Arte da Guerra Oriental
Estratégia em Ação
Liderança Corporativa e PNL

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Eis o Homem

Quando olhamos para o Cristo Redentor, no alto de Santa Teresa, de braços abertos para toda a cidade do Rio de Janeiro, podemos pensar em Deus, podemos literal e espiritualmente "elevar nossos pensamentos", "direcionar nossas vibrações, orações e percepções para o alto", quando vemos as gigantescas estátuas de Buda, pensamos na indivisão entre espírito e matéria, no uno, indiferenciado, no cosmos. Pensamos na transcendência, no imanente, no eterno. Raramente pensamos no homem. 

Como se pensa o homem?
Quando pensamos no homem, no ser humano, logo nos inundam imagens de guerras, de chacinas, de violência, intolerância e agressividade. É o que somos condicionados para ver e crer, para compreender e para viver, o homem como o portador das piores desgraças, o homem como um vírus, depredando e aniquilando o planeta. Mas quem construiu o Cristo? Quem levantou as estátuas gigantes do Buda, as milhares de stupas e pagodas do rei Asoka pelos confins mais longínquos da Índia? Quem criou a arquitetura da Catedral de Chartres, a cidade de Petra, os jardins japoneses onde não se sabe onde a mão do homem acaba e começa a mão da natureza? O homem pode ser magnífico!


Como cientista político sou educado para observar os interesses por trás de cada ação humana. Quando observo os jornais deflagrando o medo, disseminando a intolerância, a prepotência, a arrogância, o sentimento reacionário de agressão e competitividade entre os homens, penso imediatamente que o horário televisivo é pago e que alguém ou algum sistema se beneficia em menosprezar, diaria e cotidianamente a figura do homem.

No célebre Mahabharata, a apopéia indu da construção do mundo pela ascenção da família dos Pândavas, está a frase: "E agora vou contar-lhe o segredo dos segredos: em todo este universo, não há nada maior do que o homem".

Potencial humano
Essa afirmação, pensada através de nossas lentes ocidentais, viciadas em compreender as relações internas e externas do homem como variações de um jogo de poder, seja através do ego seja através da hierarquia de poderes na sociedade, pode parecer completamente patológica, criada por um ego paranóico ou megalomaníaco a exemplo de alguns tiranos e políticos da história, convencidos de sua sublime importância pessoal. Mas não estamos falando aqui da grandeza de um ego pessoal ou de suas ambições, e sim da grandeza do potencial humano. Potencial que não mais pessoal do que universal, natural a todo ser humano.

Expectativas e jogos de frustração
Você está convencido, com exceção dos estados emocionais de exaltação, da sua própria grandeza e da grandeza do homem? você está em desacordo consigo mesmo, cheio de mal-estares, de culpas, de vergonha às vezes, não tem amor por si mesmo porque está decepcionado demais, não sendo o que os adultos esperavam de você quando você era criança?

Mídia e Medo
Não costumamos ter uma alta opinião do que é o homem, tampouco os outros têm acerca de nós. É triste termos de reconhecer que a nossa civilização, o nosso meio cultural, não faz nada para dar essa alta idéia do que é o homem. Podem nos fazer admirar os feitos dos atletas ou dos cientistas, podem dar o prêmio Nobel a uma santa como Madre Teresa que consagrou a vida ao próximo por amor a Cristo, mas os meios de comunicação nos mostram essa grandeza e essa dignidade intrínsecas a todo homem? E que tipo de homem temos sido levados a admirar? O empresário acumulador? O jogador mercenário? O político espertalhão?

Um produtor e apresentador de TV francês dos anos 1950, Arnaud Desjardins, numa sucessão de viagens ao Oriente em busca de respostas a várias questões fez a seguinte pergunta a um mestre em um Ashram: "Como é possível apreciar o valor do alimento que se dá a si mesmo ou que propõem os outros ao público?" a resposta a essa pergutna foi: "Dar uma alta opinião do que é o homem." Essa resposta deixou o apresentador mudo. Até então ele não tinha percebido em quão baixa conta tinha o restante da humanidade. Tinha uma alta idéia de místicos, mártires, santos, mas não da humanidade. Postas determinadas e muito especiais pessoas à parte, o resto da humanidade - para ele, até então - vivia no medo, na ignorância, na neurose, escrava de desejos e recusas. Desjardins mais tarde declarou: "Além de qualquer questão de vaidade, orgulho, pretensão, além das humilhações ou das lisonjas do ego, descobri um sentimento de dignidade e responsabilidade." Os conceitos de "Areté" e "Timé", as palavras que dão título a esse blog, significam "Superioridade" e "Honra", respectivamente, mas poderiam muito bem terem sido traduzidas como "Dignidade" e "Responsabilidade".

A linha da dignidade
Quando nos propomos a sermos o melhor de nós mesmos compreendemos que existem coisas que simplesmente não faremos. Entre se alistar no exército para travar lutas e matar em nome de uma causa que não me convence, posso escolher fugir, ou em último caso não fazer nada, ou posso simplesmente decidir que nada vale o assassínio de outro ser humano. Certas atitudes estão abaixo da minha dignidade. Compreender a grandeza de sermos humanos engloba, também, compreender e respeitar os limites inerentes a essa condição, principalmente os que nos impomos, aqueles que constroem nosso caráter.

Toda nossa sociedade, odiernamente, parece construída em prol do desmantelamento do caráter humano. E isso serve, claramente, a um interesse. Porque muito dinheiro e muitos recursos são dispendidos para isso. Para evitar que certas perguntas sejam feitas.

Perguntas e perspectivas
Existem perguntas que amedrontam aos que vivem de amedrontar diariamente, televisivamente, midiaticamente. Por exemplo: O que faríamos se soubéssemos o que somos capazes de fazer? Que seres humanos seríamos e que atitudes consideraríamos "abaixo da nossa dignidade"? Engolir a seco que todos querem competir comigo, que não se pode confiar em ninguém e que o mundo é dos mais "espertos"? Talvez essas idéias fossem risíveis.

Um restaurante de outro planeta, em Botafogo
Outro dia fui a um restaurante de comida natural em Botafogo. Uma amiga produtora de cinema me apresentou o espaço. Completamente imerso num terreno pessoal, parecíamos estar em uma casa da Ilha Grande. O interessante mesmo do espaço, para além da comida deliciosa e do suco de laranja com gengibre, era a forma de pagar. No centro do restaurante, à vista de todos os clientes, havia uma caixa de madeira, aberta. Dentro dessa caixa haviam notas de cem, cinquenta, vinte, até dois reais. À hora de pagar a conta pedi que fechassem para mim e o gerente me trouxe um papel com o total e saiu. minha amiga me levou até aquela caixinha, no centro do restaurante e paguei com uma nota de cinquenta, tirando o troco das notas dentro da caixa. A cena toda me pareceu completamente surreal, e foi quando eu percebi também, que não tenho uma boa imagem do homem. Que paguei e peguei o troco certo e também me preocupei se todos fariam o mesmo depois de mim, ou tinham feito o mesmo antes. Meus pensamentos me constrangeram mais que os olhares ao redor e comecei a repensar a imagem que tenho do ser humano. Perguntei ao gerente se aquela forma de pagamento não havia dado problema. A resposta dele foi: "Menos que com Visa", e pediu licença para atender uma mesa e saiu rindo. Ele deve estar acostumado com o estranhamento.

E você? Como tem pensado sobre o homem? Que tipo de imagem têm acerca dos seres humanos? Como essa imagem modifica e condiciona seu comportamento, sua vida, sua história? Como seria enxergar a dignidade e a seriedade de cada um?

Texto: Renato Kress
Diretor do Instituto ATENA

Crer no Homem

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Estratégia Social XXXIX

Autoridade Nata

Baltasár Gracián: É de uma força superior, secreta. Não deve emanar de artificialismo enfadonho, mas de um domínio natural. Todos se submetem a ela sem saber por quê, reconhecendo o secreto vigor da autoridade nata. Tais pessoas têm um caráter altivo: reis por mérito, leões por direito natural. Cativam o respeito, o coração e até a mente dos outros. quando abençoados com outros dons, nascem para ser excelentes políticos. São capazes de realizar mais com uma insinuação do que outros com prolixidade.

ATENA: Alguns indivíduos possuem tal força de caráter e tal expressividade na linguagem que comunicam naturalmente sua dominância aos demais. Isso independe de tratarmos de um Ghandi ou de um Mobutu. Cabe aos de valores humanitários e de caráter íntegro exercitarem-se na arte de expressar seus valores, acreditando na grandeza do ser humano e nas possibilidades de ação e criação de que somos imbuídos. A autoridade é um exercício interno e externo, um exercício de integração da personalidade com a atitude, tal qual a liderança.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Estratégia Social XXXVIII

Nunca exagerar


Baltasar Gracián: Não é sensato usar superlativos. Ofendem a verdade e desabonam o seu discernimento. Ao exagerar, desperdiçamos nossos elogios e mostramos limitação de conhecimento e gosto. O louver desperta a curiosidade, atiça o desejo e, mais tarde, quando se percebe que os bens foram superestimados, como acontece muitas vezes, a esperança traída vinga-se menosprezando o elogiado e aquele que elogiou. Os cautos têm comedimento, preferindo pecar pouco a muito. Raras são as eminências, portanto tempere sua apreciação. A ênfase é uma forma de mentir. Pode arruinar nossa reputação de bom gosto e, ainda pior, de sabedoria.

ATENA: O uso excessivo de superlativos termina por banalizar o fenomenal e por superestimar o medíocre. A comunicação se perde num nivelamento idêntico de todos os assuntos, pessoas e experiências. Nem tudo é incrivelmente fantástico ou pessimamente horrendo e não é necessário ter uma opinião bombástica sobe um assunto de menor importância. O pior que pode ocorrer nos exageros é perdermos a sutil e poderosa capacidade de surpreender.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Simetria e energia



Pense num católico rezando com as mãos espalmadas, num judeu com os dedos entrecruzados... num monge indiano meditando, agora num muçulmano rezando em direção a Meca... notou uma coisa? Simetria! Todos eles estão em posição simétrica, se você passar uma linha vertical dividindo seus corpos ao meio as duas metades serão sempre idênticas e simultaneamente opostas. Rezar, meditar, é buscar sempre o centro. Observe isso e procure sempre ser o centro dentro de você, ou estar em sintonia com esse centro.


Energia
A natureza da energia é mudança, ela flui, fluiu e vai fluir eternamente, nossa única forma de adquirir potência é justamente garantir que essa energia esteja circulando através do nosso centro, dos nossos critérios, do nosso equilíbrio interno. Caso contrário nos sentiremos sempre "fora do eixo".


Flutuação e centro
Você tem diferentes humores? Então você flutuações energéticas! Ótimo, isso é sinal de que você está vivo e que opera mudanças ao longo da sua vida. Só o universal e estagnado são os realmente patológicos e problemáticos. O que importa é conseguir controlar o fluxo dessas energias inevitáveis porque necessárias à vida. Como dizia Heráclito de Éfeso: "Panta rei", "tudo flui". A natureza da vida é mudança, mas o fato de que mudanças são inevitáveis não é suficiente para concluirmos rasteiramente que qualquer mudança é benéfica. Muitas mudanças podem ser péssimas e cabe a nós operarmos, nesse momento, as novas mudanças necessárias ao reestabelecimento de um equilíbrio chamado "equilíbrio dinâmico" que é o equilíbrio natural dos processos saudáveis da vida.

Equilíbrio dinâmico
Experimente andar devagar. Experimente andar absurdamente devagar, mais lento do que em uma câmera em "slow motion". Você se sentirá desequilibrado entre os passos. Sequer percebemos que qualquer movimento, mesmo o simples ato cotidiano de caminhar, requer um "desequilíbrio" inicial para que seja efetuado. É o mesmo que tentar levantar da cadeira, em que provavelmente você está agora, sem tirar suas costas da cadeira. Só usando os músculos do quadríceps para levantar, sem o auxílio de um "desequilíbrio" inicial da lombar e do abdômen, é impossível. Tente e divirta-se à vontade.

O equilíbrio dinâmico opõe-se à idéia de equilíbrio estático, de estabilidade, rigidez e fixidez. Ele é uma característica inevitável, porque indispensável à vida. Estamos constamente tendo nossos corpos refeitos por células que morrem e dão lugar a novas células que nascem para morrerem em alguns dias. 



Filtros
Já que o fluxo de energia é inevitável, como a mudança e o desequuilíbrio, mesmo que momentâneo, o que nos interessa é saber administrar bem essa troca inevitável de energias, de vida, esse fluxo de que somos parte. Só a estruturação de um bom filtro, só um real conhecer-se a si mesmo, é capaz de orientar o fluxo energético de que somos compostos em direção a nossas metas, alicerçadas em nossos valores e crenças.


Texto: Renato Kress





terça-feira, 29 de março de 2011

Estratégia Social XXXVII

Ter a simpatia dos outros

Baltasar Gracián: É ótima conquistar a admiração geral, mas melhor ainda é conquistar a afeição. Depende-se, em toda parte, da sorte, o resto é esforço. Começa-se com aquela e continua-se com este. Não basta a excelência dos dotes, embora se suponha com frequência que é mais fácil ganhar afeto depois de se ganhar a estima. A benevolência depende da beneficência. Pratique todo tipo de bem: boas palavras e ações aidna melhores. Ame, para ser amado. É com cortesia que os grandes cativam os outros. Estenda primeiro a mão aos feitos e depois à pena. Da espada às letras, pois há também a simpatia dos escritores, e esta é eterna.

ATENA: De nada adianta enveredar pelo caminho fácil - e pouco meritório - da competição aberta a todo custo com todos e a todo tempo. Desperdiça-se energia, oportunidades e crescimento no vão afã de granjear um mérito egocêntrico que possui uma força gravitacional fortíssima no que tange a inimizades, desconfianças e ataques. Procure fazer sempre o bem a todos que lhe cruzarem o caminho, florear e embelezar sua passagem pela vida alheia para que cada vez mais pessoas se interessem a andar ao teu lado. Principalmente as de belo caráter, que nos instigam a seguir cada vez mais pelo caminho meritório onde boas forças se conjuguem na realização de tuas obras.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Revolução da Alma - Paulo Roberto Gaefke

Ninguém é dono da sua felicidade, por isso não entregue sua alegria, sua paz sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém. Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja. 


A razão da sua vida é você mesmo. A tua paz interior é a tua meta de vida. 


Quando sentires um vazio na alma, quando acreditares que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remete teu pensamento para os teus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você. 


Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque o objetivo longe demais de suas mãos: abrace os que estão ao seu alcance hoje. Se andas desesperado por problemas financeiros, amorosos, ou de relacionamentos familiares, busca em teu interior a resposta para acalmar-te, você é reflexo do que pensas diariamente. Pare de pensar mal de você mesmo(a), e seja seu melhor amigo(a) sempre. 


Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que te quer oferecer o melhor. Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo que está "pronto“ para ser feliz. 


Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda. Critique menos, trabalhe mais. E não se esqueça nunca de agradecer. Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento 


(...)


Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida. A grandeza (da vida)não consiste em receber honras, mas em merecê-las

Texto: Paulo Roberto Gaefke
Texto atribuído erroneamente na internet a Aristóteles.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Estratégia Social XXXVI

Saber reconhecer o ponto de maturação no tempo certo e tirar proveito disso

Baltasar Gracián: Todas as obras da natureza atingem seu ponto de perfeição. Até chegar ao ápice, enriquecem; daí em diante, minguam. Raras são as obras de arte que não podem ser aprimoradas. É próprio do bom gosto saber usufruir cada coisa quando atinge a perfeição. Nem todos podem, e nem todos os que podem sabem como. Mesmo os frutos do intelecto alcançam o ponto perfeito da maturação. Mas é preciso saber reconhecê-lo, para poder valorizá-lo e tirar proveito dele.

ATENA: A vida é permeada de processos e fluxos. Esses fluxos alimentam processos produtivos diversos desde suas concepções até seus pontos de maturação. O mesmo processo produtivo pode ser "maturado" diversas vezes, mas uma vez perdida a oportunidade, o que mestre Maquiavel chamava de "occasione", as perdas podem ser irrecuperáveis. Eugène Delacroix dizia que necessitava estragar um pouco o quadro para  ter certeza de que ele estava pronto. Mesmo os mestres tem dificuldade em observar o melhor período para a colheita dos esforços. Exercíte-se em observar a si, ao momento, à obra e ao contexto para que nunca lhe escape a melhor safra dos teus esforços.